quarta-feira, 30 de março de 2011

Travessuras do Mateuzinho - 1

Eu digo que as palavras têm força... rsrsrs
Foi só eu escrever 4 postagens sobre cocô... que pronto, Mateuzinho fez uma travessura e enquanto preparava o banho dele jorrou cocô em mim e na sua cadeirinha.

E eu vou ficar brava em ter que limpar a cadeirinha e me trocar???
Claro que não!!!
Eu vou é comemorar essa façanha de meu filhote, pois como já me mostrava a minha mãe e agora a senhora do vídeo: fazer cocô é ultra mega super blaster importante!!!!

Parabéns, Mateuzinho!!!!
hahahahaha

Para rir - O milagre

Ao escrever as duas postagens anteriores me lembrei de um vídeo hilário...
É o depoimento de uma senhora que sofria de prisão de ventre, mas depois de comprar um "travesseiro milagroso" em uma igreja evangélica conseguiu a proeza de dar uma  'bela cagada'.

Aumentem o som, porque o áudio está baixo e divirtam-se!!!


Lembranças que servem de lição - gases

O causo que mencionei na postagem anterior é o seguinte...

Quando operei o apêndice os médicos não queriam me liberar enquanto eu não "evacuasse", pois trata-se de um sinal importante de que o organismo está reagindo bem frente à intervenção cirúrgica. Assim, sofri uma pressão dos médicos para o tal acontecimento e claro, também da minha mãe que não ficava um minuto sem abordar o assunto. Aff!

Na minha segunda cirurgia a pressão foi ainda maior, pois operei justamente o intestino. E claro, mais uma vez a dona Cleo vinha com suas perguntas: "Você já soltou pum?", "Não está com nem um tiquinho de vontade?". Aff de novo!

Assim, para acelerar esse processo e eu poder receber alta os médicos sugeriram que eu caminhasse pelo corredor do hospital. Mico total, porque você anda toda torta pelo corredor de avental e pijama, vai de um lado até o outro com o maior sacrifício e encontra outros pacientes que com certeza estão fazendo a mesma coisa que você: querendo soltar pum. E o mais mico de tudo foi que numa dessas caminhadas eu realmente soltei.

Pronto. Foi o que bastou para minha mãe comemorar ali mesmo o acontecimento com todos ao redor: "Ela soltou pum! Ela soltou pum!" e pulava de alegria. Não satisfeita e não percebendo o meu constrangimento ela continuava a comunicar a notícia a QUALQUER pessoa que entrava no quarto.

Causo inesquecível: eu querendo me enfiar embaixo da maca e minha mãe numa alegria que eu não entendia.
Mas lembram do ditado???
Quando você cospe pra cima, o cuspe cai na nossa testa.

Pois é, quase 10 anos depois, cá estou eu como mãe sentindo na pele a mesma felicidade quando meu pequeno solta pum ou faz cocô. Nesses momentos dou risada dependendo do barulho e da situação e comemoro como se fosse um gol de final de Copa!

É... o mundo dá voltas...

Privada gigante

A consequência do primeiro suco que o Mateuzinho tomou ontem foi sentida por nós...
no cocô!!! Ficou mais fedido... hahaahaha

E pra variar, uma das vezes que ele fez - chegando até a vazar... foi em cima do Luiz!!!
Segundo pesquisas sérias, 70% das vezes que Luiz o pega no colo ele faz cocô em cima dele.

Pois é, o Lu gosta de me provocar dizendo que para o Mateus eu sou apenas uma mamadeira gigante... Mas agora sou eu quem o provoco:

Para o Mateus o Luiz é apenas uma privada gigante!!!
hahahahaa

Mas o importante é que Mateuzinho está fazendo cocô... ops! Isso me lembra um causo...

terça-feira, 29 de março de 2011

Compras

Ontem o Luiz queria descer do carro para comprar as laranjas para o suco do Mateus, mas eu insisti para ir. Ele não entendeu minha insistência, mas eu já explico...

O ato de comprar, em geral, é apenas visto como um ato consumista - ainda mais na sociedade que vivemos que estimula mesmo essa ação. No entanto, pouco se valoriza que ele envolve uma questão essencial à autonomia do ser humano: a escolha.

Percebi isso depois de voltar de um passeio com Mateus e minha mãe. Na volta, ela parou na padaria e insistiu para que eu descesse para comprar o que eu quisesse. Na hora disse que não precisava e que preferia ficar no carro com meu pequeno, mas ela insistiu. Quando entrei naquele mundo mágico dos sabores, o qual não frequentava há meses eu enlouqueci e comprei a padaria toda. E ao final, levando coisas para mim, para minha mãe, meu pai e Luiz eu me senti MUITO BEM.

Percebi então que há tempos estava incomodada com a minha dependência dos outros; é cansativo pedir para comprarem shampooo, e vir condicionador, pedir uma marca e vir outra. O cúmulo foi quando precisei pedir para o Lu comprar calcinha e ele me ligou da loja para eu falar com a vendedora sobre meu tamanho, meu culote, os modelos... Muito constrangedor. Só rindo...

Claro que a minha licença-maternidade é uma situação provisória e que sempre serei grata a todos que me ajudaram nesse momento, trazendo mesmo que errado as coisas que pedi ou então sendo fofos como minha mãe e Luiz: sempre que vêm para cá, me ligam para perguntar se eu desejo algo. Provavelmente daqui um tempo em que terei que voltar a fazer as compras do mês num supermercado lotado e tudo o mais eu sentirei falta desse momento e dos paparicos. Sei disso...

Mas a questão é que como bem disse minha sogra, pessoas que conquistaram sua autonomia gostam de exercê-la, e é por isso que fiz questão de descer do carro para escolher as melhores laranjas para o suco de meu filho.

O primeiro suco

Ainda estou elaborando minha volta ao trabalho... Por enquanto só vale dizer que por conta de meu retorno Mateuzinho começará a complementar sua alimentação com sucos.
A ideia é que o suco ainda não substitua uma mamada, apenas complemente sua alimentação exclusiva de leite materno. Por isso, primeiramente uma quantidade pequena e depois aumentando gradualmente será dado entre uma mamada e outra.

Ontem fiz questão de comprar as laranjas, na próxima postagem conto o por quê...

E hoje foi o primeiro dia dele experimentar o suco de laranja lima. Suspense geral se Mateus iria gostar ou não, se iria fazer careta, gorfar... Dei o suco junto com Mirna, minha sogra e não é que para nossa surpresa Mateuzinho bebeu tudo numa boa - como se já fizesse isso sempre!!!
Ficamos de queixo caído.


Será que é por que eu bebo muito suco de laranja????
Acho que não...  Acho que tem a ver com aquele troféu que eu mencionei na postagem anterior: o mais faminto.

Depois dormiu; quando acordou, deu uma gorfadinha, fez cocô e ficou numa boa.
Vendo isso, eu também fiquei.
Minha alma sentiu um alívio danado em saber que esse moço não passa aperto, já sabe se virar.
Uma coisa a menos para me preocupar em relação a minha volta ao trabalho.

E o mais emocionante é poder acompanhá-lo descobrindo outros sabores do mundo. E esse é apenas o primeiro, existem tantos outros... Que delícia!
Pois é, Mateuzinho, mais uma vez, deu um pequeno grande passo à conquista de sua independência. Coração de mãe apertado, mas feliz, muito feliz.

Perigo ambiental

Por falar em xixi... Eu e Mateuzinho estamos cometendo dois grandes crimes ambientais...

Com essa história de eu beber 4 litros de água o que eu mais tenho feito durante o dia - e à noite é ir ao banheiro. De ontem para hoje foi um rolo de papel higiênico inteiro!!! Que horror...

E Mateuzinho com sua super produção de xixi e cocô, um lixo por dia de fralda descartável suja...

Mãe e filho cometendo crimes seríssimos. Tenho tentado pensar em soluções alternativas mas está difícil, pois as sugestões que me deram não são viáveis - mesmo - para a vida que podemos levar. Vamos tentando pensar em outras...

Mas daqui a pouco, porque agora eu vou rapidinho ao banheiro... Fui.

O rei do xixi

Ontem tivemos retorno na padiatra e a situação atual é a seguinte:

Mateuzinho sempre engordou acima da média - que em geral é entre 20g e 40g. Mas no último mês ele enngordou bem pouco.

Eu e Luiz ficamos sem entender, afinal, nós três havíamos tido o mês mais tranquilo: Mateus dormindo mais, quando acordado demonstrava estar confortável, espaçou o período de uma mamada e outra, fez bastante cocô e interagiu cada vez mais com as pessoas e objetos.

Assim, as hipóteses mais prováveis são que por conta de sua nova rotina ele mamou menos e que seu biotipo é esse mesmo: magro e alto, porque ele cresceu muito. Fome não poderia ter tido, afinal ele sabe reclamar e se ele teve um mês tranquilo é porque estava muito satisfeito. No entanto, precisávamos descartar de vez a hipótese de que a produção de leite teria diminuído e portanto passei a beber 4 litros de água (dá muita vontade de ir ao banheiro...) e a tomar Plasil que estimula a produção de leite (e dá muito sono...).

Durante a semana vi que a produção aumentou, mas ontem na consulta vimos que mesmo assim ele engordou pouco, o que deixa as duas primeiras hipóteses bem próximas de serem reais. No entanto, restam ainda duas outras que precisam ser descartadas: uma é a de que Mateuzinho precisa de mais ferro, portanto dá-lhe vitamina! E a outra bem remota, pois não apresenta quaisquer outros sintomas é a de que está com uma infecção urinária. Dedos cruzados...

Ontem mesmo fomos fazer o exame. Na sala de exames a enfermeira foi dizendo que em geral os bebês demoram para fazer xixi no saquinho que eles colocam, porque ficam inibidos então depois de meia hora ela olharia o saquinho para ver se tinha atingido a quantidade mínima e caso não tivesse ela faria uma estimulação na barriga, pois é normal ficar mais ou menos uma hora para conseguir e coisa e tal...

Assim, ela colocou o tal saquinho fomos para a sala de espera e NIQUI o Luiz foi olhar, porque ficou encafifado com o peruzinho durinho do Mateus pronto... lá estava o xixi!!!

Dessa maneira Mateuzinho, segundo as enfermeiras presentes ele ganhou mais um prêmio em sua vida: o xixi mais rápido!!!

Para quem não sabe ele ganhou 3 prêmios das enfermeiras durante sua estada na maternidade:
o pé mais comprido (9cm)
o mais faminto
o choro mais alto

É isso aí... já tenho um filho vitorioso!!!!
E saudável, pois o primeiro resultado deu negativo. Ufa! Agora é só comemorar...

domingo, 27 de março de 2011

O rei da costela

Para quem não sabe o Luiz manda muito bem na cozinha!!!
E para quem também não sabe eu mando muito mal...
hahahahaha
Par perfeito.

Se antes eu não cozinhava agora, com todos os mimos que tenho recebido, é que não cozinho mesmo.
Se não é o Lu, é minha mãe, meu pai, a sogra, a cunhada, a vó, as tias e tios ou a Prazeres. O máximo!

E hoje o Lu mandou "benzaço" pra galera: fez uma costela melhor que a do Outback com direito até a cebola frita. Arrasou!!!

Cabe aqui a minha singela homenagem ao meu amor que cuida tão bem de mim... e do Mateuzinho.


Mateus fofo!

Apesar de ser safado... Mateuzinho está demais de fofo!!!

Na verdade todo dia eu penso que ele está mais fofo do que nunca, mas quando chega o dia seguinte ele consegue ser ainda mais...
Num aguento!!!
Foto também... cada dia eu penso que tirei a foto mais linda do mundo, mas daí vem o dia seguinte e ele fica ainda mais delicioso...
Num aguento!!!

Alguém me diz, por favor...
Onde coloco todo esse amor que já não cabe mais no peito???



Mateus safado!

À noite Luiz ficou com vontade de comer hambúrguer e como Mateuzinho tinha passado o dia numa boa sugeri que fôssemos a uma lanchonete tranquilíssima aqui perto e Luiz não quis, pois daria muito trabalho levar nosso pequeno. Querendo retribuir a gentileza que ele me fez durante o dia eu comecei a incentivá-lo e para todo problema que ele colocava eu propunha uma solução. Assim, o moço foi vencido e fomos rapidinho para aproveitar que já tinha mamado e estava tranquilo.

Ao chegarmos lá, fizemos o pedido, brindamos a primeira saída pra um restaurante com Mateuzinho e logo em seguida o píncipe começou a dar umas reclamadas... NIQUI eu fui pegar a chupeta, pois percebi que estav com sono, a chupeta caiu e logo eu entrei em pânico.

Pra quem não sabe, levamos um século para acharmos uma chupeta que ele gostasse e depois outro século para achar uma igual para termos duas pelos menos. Pois é, mas eu só tinha levado uma!!!

Pegamos o pequenos no colo e a reclamação não cessava, pois tinha a iluminação, o barulho, o lugar estranho e o sono!!! Eu e Lu nos olhamos e decidimos pedir o lanche para a viagem antes que ele engatasse a sua famosa primeira...

Assim, como diz a pediatra, tivemos uma saída gloriosa com todos paparicando fazendo elogios: "Como é fofo!" e a gente por dentro pensando: "Precisamos ir embora rápido que vai acabar o feitiço e o príncipe vai virar uma ferinha". Mas NIQUI entramos no carro, Mateus se acalmou. Até pensamos em voltar, mas chegamos ao bom senso de que era melhor respeitá-lo. NIQUI o carro andou ele... dormiu!!! E ficou dormindo por um bom tempo...

Só uma coisa a dizer: Mateus... SAFADO!!! 

Sessão beleza

Ao chegarmos num salão de beleza em geral não estamos com a auto-estima muito alta, afinal, senão não estaríamos lá. Mas o fato é que o pouquinho que nos resta logo vai para o ralo com os elogios que ouvimos das profissionais: "Nossa, seu cabelo está bem danificado mesmo"; "E está caindo muito, caramba! Mas é normal com o seu estado, depois melhora"; "É bom você levar um shampoo e condicionador especial pra dar uma reforçada, eles estão em promoção: só custam R$120,00"; "Você não tinha parado de roer as unhas?"; "Nossa, você comeu esse dedo todo"; "Seus pés estão bem secos, você não tem lixado?"; "Quando você vai vir fazer depilação de novo?"; "E essas sobrancelhas aí?"

CARACA!!!
Isso porque são todas mulheres e sabem qual o meu "estado" (essa foi boa!!!).

O fato é que também depois de tanta esculhambação com a minha pessoa e o meu "estado" durante a cena: uma no meu cabelo, outra nas minhas mãos e outra nos meus pés... eu, que nunca fico à vontade nessa situação, fico sem jeito puxando o assunto para amenizar a cena, mas hoje fiz fechei os olhos e fiz pose de peruona do tipo: "mal estou ouvindo o que vocês estão me dizendo". Assim, a conversa cessou e o restinho de minha auto-estima foi preservada.

Quando acabaram as mãos, os pés e tinha que aguardar o produto da hidratação no cabelo veio o silêncio... e junto dele o pânico do Mateuzinho estar com fome. Pra variar estava sem celular e veio minha mãe na cabeça dizendo: "Ah, a Juliana não tem jeito com celular não, quando eu quero falar com ela eu ligo pro Luiz", depois veio o Luiz: "Você tem que recarregar seu celular" e um pouco antes de sair de casa: "Leva o meu, porque qualquer coisa eu te ligo" e depois ainda a Maria: "Quando você tiver filhos você não viver sem o celular". Pois é, agora eu tinha filho... que poderia estar passando fome e eu ali, fazendo pose de madame que não sou. Nessa hora, quase chamei todas novamente para me "elogiarem", pois assim não pensaria tanta bobagem.

Não fiz isso, mas fiz outra coisa: pedi para usar o telefone do salão. Luiz disse que ele tinha acordado assim que saí, mas estava numa boa. E agora, quando ele sentiria fome??? Cortava ou não o cabelo??? Dei o número do salão pro Luiz e disse pra ele me ligar se o Mateus, como diz a minha mãe: "desse uma primeira".

Como ele não ligou, eu acabei cortando as madeixas enquanto folheava uma Caras - "caras e salão, tudo a ver!!!", no finalzinho que acabou minha leitura dinâmica de 3 revistas (lei título, foto e legenda - pra que ler mais?) eu comecei a ficar aflita ao ver tanto picotezinho no meu cabelo. Comecei a pensar se tinha lógicas aquelas picotes, se era técnica mesmo ou intuição quando a Renata percebeu e falou rindo: "Calma Ju, já está acabando". Ri também... do meu "estado"!

No final, cheguei em casa e Mateuzinho estava dormindo... numa boa. Mas foi só o tempo de dar um beijo no Luiz de agradecimento e depois uma bronca por ele nem reparar no corte que Mateus deu a sua primeira!!! Oba, que saudade do meu faminto!!!

A difícil arte de sair de casa

Sou vaidosa do tipo quero estar bem - ao natural. Mas confesso que tenho fases, por exemplo, tem época que cismo com meu pé seco então dá-lhe creme para os pés, tem época que cismo com minhas pernas então dá-lhe cuidar da pele assim como tem época que não cismo com nada... ainda bem, pois são as melhores!!! rsrsrs

O fato é que nesta semana comecei a reparar nos meus cabelos. Sempre começa assim:olhando no espelho, ajeita daqui... não fica bom, ajeita dali, também não fica, aí eu reparo que andam caindo mais do que o normal (como isso é possível sem eu ficar careca???) e que estou com pontas secas, peço produtos Natura para minha mãe, cuido por um tempo, vejo que melhorou, mas se fizer algo mais ficará ainda melhor, começo a cogitar dias e horários de ir a um profissional, mas desanimo de ter que ficar um tempo no salão - destesto! - até que um dia acordo e digo: "É HOJE!!!". Aliás, um dos motivos de não ter um profissional fixo é porque só decido as coisas em cima da hora e claro que nem sempre consigo com os meus preferidos - e daí muitas vezes depois das sessão beleza vem uma sessão lágrimas. Mas não tem jeito, eu funciono assim: me dispor a ir até um cabeleireiro só sendo em cima da hora; com antecedência, só diante de alguns eventos.

As pessoas que foram me visitar na maternidade diziam: "Nossa, como você está bem!" e estava mesmo... (modesta - hahahaha). Mas preciso confessar que um dia antes de ter Mateuzinho me deu esse "siricutico" e consegui agendar com a super tia Jane. Fiz hidratação, luzes - nunca tinha feito, mas me animei depois de tanto tempo na gravidez aturando os fios brancos e escova. Desde então não fui mais - fazem mais de 3 meses.

Mas ontem, depois de amamentar me deu novamente esse "siricutico". Só que como era sábado não quis incomodar a recém-operada tia Jane e liguei para outro profissional perguntando se tinha horário para às 10h30, seria perfeito. Mas não tinha, teria ás 12h30. Luiz ficou dizendo para eu aceitar que ficaria com Mateuzinho, mas daria 3 horas exatas da última mamada, isso sem falar no tempo que levaria no salão então não aceitei. Mas Mateus não dormiu, ficou brincando à mil, e por isso teve fome antes. Amamentei às 11h30 e assim que acabei liguei esperançosa de que o horário das 12h30 ainda estivesse vago. Não estava, agora só teria às 13h30. Não aceitei. Demos banho no pequeno que capotou bonito. Liguei novamente esprançosa ao que sou informada que não havia mais nenhum horário livre no dia.

Chorei. Chorei muito. Não pelo cabelo - eu sei que é só fogo de palha do dia, mas principalmente por essa mudança brusca no meu jeito de funcionar. Antes era tão simples, dava vontade eu ia e pronto, agora tenho que ficar fazendo contas para conseguir sair... Difícil esse parênteses que nós, mulheres, damos em nossas vidas quando temos filhos. Mas o mais difícil ainda é reconhecer que a gente também não quer sair. Tanto que o fofo do Luiz foi atrás de mim e ficou dando mil e uma outras soluções, mas eu ficava presa naquela única que tinha dado errado, pois no fundo também estava em pânico em pensar que Má poderia passar fome e com a certeza de que não relaxaria.

Mas com tanto incentivo de Luiz acabei fazendo o que antes eu faria numa boa: liguei para outro profissional que claro, tinha o horário desejado.

Obrigado Lu, te amo!!!

quarta-feira, 23 de março de 2011

Desastres de mãe - 2

Não me perguntem como, mas enquanto eu dava banho no Mateuzinho eu deixei cair o shampoo na privada...

Lixo. Ai que dó...

Outros relatos - Milena Cintra

Ao escrever sobre as emoções do início de minha gravidez na postagem anterior me lembrei de uma mensagem emocionante do mês passsado da Milena. Ela está gravidíssima e havia acabado de de evr seu bebê e ouvir seu coração no primeiro exame.

Novamente digo que temos que nos curvar à Mãe-natureza...


Chegou o grande dia!!! Dia de vê-lo (a) dentro de mim e escutar SEU CORAÇÃOZINHO BATER, BATER, BATER!!! ESTE SERZINHO DE 97 mm VIBRA COM FORÇA E VITALIDADE!!! QUE ALEGRIAAAA!!! QUE ALEGRIA!!! Nem lágrimas, nem todos os sorrisos, traduzem a sensação do meu 
coração ADMIRADO E APAIXONADO por aquele espetáculo tão único! O eco das batidas segue no meu ouvido e a imagem daquela criaturinha me faz pensar na grandeza de Deus, deste milagre, desta maravilha!
 PRA LÁ DE FELIZ, amo vocês, MI

23 de março

"23 de março" - foi a resposta que mais falei durante minha gestação.
Qual era a pergunta???
"Quando foi sua última menstruação?"

No início, respondia toda orgulhosa em alto e bom som aos atendentes das clínicas e aos médicos dos exames que me perguntavam, mas depois comecei a ficar impaciente por responder tantas vezes a pessoas que tinham todo meu prontuário em mãos - bastava olhar!

De qualquer maneira essa é uma data importante para mim, pois marca o início de minha gravidez.

A principio achava esquisito uma gravidez começar antes do feto ser fecundado, mas depois entendi que todo grande acontecimento exige uma preparação especial; a natureza é mesmo muito sábia e merece todo nosso respeito por gerar as coisas e as pessoas de maneira tão cuidadosa e sensível.

Assim, no dia 23 de março de 2010 meu corpo começou a se preparar para receber o presente mais valioso que já ganhei: o Mateuzinho. Parece que foi ontem...

terça-feira, 22 de março de 2011

Outros relatos - Dani Dezordi

O relato a seguir é da Dani Dezordi... Recebemos no dia que o Mateuzinho nasceu e fala um pouco dessa sensação de receber um ser pequeno e especial em nossas vidas...

Ju, Luiz,

Esse sentimento que só conhecemos quando finalmente temos nos braços esses pequenos seres valiosos, é algo indescritível...
Certa vez, quando tive a Luara em meus braços, bem no início, até doia meu peito, de tanto amor, é um amor muito grande, de um coração que passa a bater fora do seu peito mesmo!!!! Com a Laís senti a mesma coisa....
Sempre que penso em pais que estão começando me lembro desse sentimento.... fico sentindo novamente e me dá aquele aperto, vontade de pegar no colo e proteger muito essa coisinha tão pequena que nos foi confiada! Mas tudo dá muito certo... a gente sobrevive e cresce junto com eles!!!!


Ju e Luiz, que esse momento tão especial, seja repleto de luz, amor, felicidade sempre sempre sempre!
Parabéns!

Gostaria de estar aí e ver esse menino lindo, especial!
Mas assim que eu voltar daqui de viagem passo para conhecê-lo!
Que o Mateus seja muito bem vindo!
Be ijos enormes para os três

Dani, Gu, Luara e Laís

Outros relatos

Como já disse em postagens anteriores ('Rede de apoio' e 'Coração aberto'), tenho participado de uma verdadeira rede de apoio à maternidade com tantas mulheres me rodeando. Por isso, vira e mexe tenho recebido relatos bonitos das experiências dessas mulheres... E essa troca tem sido tão significativa na construção de minha identidade como mãe que decidi compartilhar com mais pessoas esse relatos.

Assim, aos poucos, colocarei alguns desses relatos no blog - com as devidas autorizações, claro.

Para se emocionar: Ser mãe

Recebi esse poema, mas não veio o autor... Alguém conhece??? É lindo!!!

Antes de ser mãe eu fazia e comia os alimentos ainda quentes .
Eu não tinha roupas manchadas.
Eu tinha calmas conversas ao telefone.

Antes de ser mãe eu dormia o quanto eu queria
e nunca me preocupava com a hora de ir para a cama.
Eu não me esquecia de escovar os cabelos e os dentes.

Antes de ser mãe eu limpava minha casa todo dia.
Eu não tropeçava em brinquedos nem pensava em canções de ninar.

Antes de ser mãe eu não me preocupava se minhas plantas eram venenosas ou não.
Imunizações e vacinas eram coisas em que eu não pensava.

Antes de ser mãe ninguém vomitou nem fez xixi em mim,nem me beliscou sem nenhum cuidado,com dedinhos de unhas finas.

Antes de ser mãe eu tinha controle sobre a minha mente, meus pensamentos, meu corpo e meus sentimentos
.... Eu dormia a noite toda...

Antes de ser mãe eu nunca tive que segurar uma criança chorando para que médicos pudessem fazer testes ou aplicar injeções.
Eu nunca chorei olhando pequeninos olhos que choravam. Eu nunca fiquei gloriosamente feliz com uma simples risadinha.
Eu nunca fiquei sentada horas e horas olhando um bebê dormindo.

Antes de ser mãe eu nunca segurei uma criança só por não querer afastar meu corpo do dela.
Eu nunca senti meu coração se despedaçar quando não pude estancar uma dor.
Eu nunca imaginei que uma coisinha tão pequenina pudesse mudar tanto a minha vida.
Eu nunca imaginei que pudesse amar alguém tanto assim.

Antes de ser mãe eu não conhecia a sensação de ter meu coração fora do meu próprio corpo. Eu não conhecia a felicidade de alimentar um bebê faminto.
Eu não conhecia esse laço que existe entre a mãe e a sua criança.
Eu não imaginava que algo tão pequenino pudesse fazer-me sentir tão importante.

Antes de ser mãe eu nunca me levantei à noite a cada 10 minutos para me certificar de que tudo estava bem.
Nunca pude imaginar o calor,a alegria, o amor, a dor e a satisfação de ser uma mãe.
Eu não sabia que era capaz de ter sentimentos tão fortes.

Por tudo e, apesar de tudo, obrigada, Deus, por eu ser agora um alguém tão frágil e tão forte ao mesmo tempo.

Obrigada Deus por permitir-me ser Mãe!

3 meses

Apesar do desastre que acabei de relatar hoje é dia de festa, pois Mateuzinho completa 3 meses de vida!!!

Pois é, há exatamente 3 meses atrás eu recebi um valioso presente de Natal: meu pacotinho lindo, o Mateus.
O parto foi emocionante, um dia preciso contar com calma, e o sentimento de amor por esse pequeno só tem crescido desde então.

Cresce com a mesma intensidade com que Mateus cresce (ele nasceu com 48cm e agora tem 61,5cm). Um pequeno gigante! Isso sem mencionar todas as demais conquistas importantes desse primeiro trimestre: mamar, arrotar, dormir tranquilo, fazer xixi e cocô, chorar, pedir ajuda, mostrar que está satisfeito, reconhecer mamãe, dar sorrisos, brincar, acompanhar com os olhos, reconhecer sons, fazer sons, interagir, pegar objetos, dar abraço, e pensar que ainda vem muito mais...

Ai, ai, quero que venha rápido, mas não tanto para poder aproveitar todo esse momento intensamente...



Ah! E parabéns pra Lelê que hoje completa 4 meses!!!
Pri, força na peruca amanhã na sua volta ao trabalho...

Desastres de mãe - 1


Fui dar corda no coelhinho musical que Mateuzinho ganhou da Bibica, apelidado de Raul ("toca Raul!!!"),  e quando puxei a alça ela soltou do cordão e minha mão foi com tudo no rostinho de Mateuzinho, ai, ai, ai, um soco no meu pequeno!!!

Desastre.

segunda-feira, 21 de março de 2011

Balanço do mês

Há exatamente um mês atrás tivemos consulta com a pediatra do Mateuzinho; a famosa consulta que originou esse blog.

Mateus estava completando 2 meses e eu vinha de um mês de intenso amor dedicado ao meu pequeno tanto para construir nossa relação e deixá-lo atuar no mundo como um ser singular como também para criarmos uma rotina que se adequasse às nossas vidas e ao ritmo de Mateus; para aliviá-lo das dores de barriga, tranquilizá-lo nos momentos em que não conseguia dormir durante o dia e fazer uma leitura mais certeira do que nos dizia. Da mesma forma estava vivenciando meu processo como mãe fresquinha: conhecendo meu pequeno o mais inteiramente possível, me descobrindo como mãe - meus encantamentos, minhas habilidades e dificuldades assim como me acostumando a ficar em casa tanto tempo, a ficar sozinha com Mateus, a aguentar o cansaço, a retomar minha relação de casal com o Lu, a manter uma relação virtual com as pessoas queridas, a me sentir à parte do que acontece no mundo lá fora, a estar afastada do trabalho e com certeza o mais difícil de todos: aceitar meus erros como mãe.

Hoje temos consulta novamente e posso dizer que muita coisa mudou... para melhor!!! Meu amor por ele continua num crescimento total e nosso trabalho com ele continua a todo vapor: cansativo, mas extremamente prazeroso. Nossa, como vale à pena!!!

Assim, conseguimos uma rotina mais equilibrada, que claro, precisa ser avaliada o tempo todo para os ajustes necessários e Mateus está bem mais à vontade nesse mundo: coloca a boca no trombone quando algo o incomoda - que eu admiro!, mas já aceita melhor nossa ajuda para tranquilizá-lo e assim relaxa mais rapidamente. Certamente o que contribuiu para essa mudança foi o meu relaxamento em relação aos meus erros.

Mateus está mais tranquilo por que eu estou mais tranquila?
Ou estou mais tranquila por que Mateus está mais tranquilo?

Parece com a dúvida:
Tostines vende mais por que é frequinho?
Ou é frequinho por que vende mais?

hahahahaahah

Enfim, no caso do meu questionamento acho que foi a primeira... mas também ajudou muito nesse processo a massagem Shantala que temos lhe feito diariamente, a aceitação da chupeta em momentos difíceis, a mudança de algumas coisas em minha alimentação, os banhos na banheira e no ofurô que ele tem curtido mais, a entrada maior de Luiz na relação com ele, a chegada do frio que o deixa mais disposto e o faz dormir melhor até mesmo durante o dia que antes era tão difícil.

Ele tem dormido tanto durante o dia que às vezes tenho vontade de acordá-lo de tanta saudade que fico... rsrsrs

Tudo isso tem trazido melhoras à qualidade de nossas vidas: temos passeado mais vezes com ele e cada vez é mais gostoso, pois eu me sinto mais relaxada e segura sem receios dele ter crises, consegui sair algumas vezes sem ele, eu e Luiz ganhamos mais tempo para ficar juntos e o mais importante: como já disse, ele está mais disposto, dando mil e uma gargalhadas, brincando muito e fazendo inúmeras descobertas importantes.

Assim, temos muitas coisas positivas para contar à dra. Glaura e apenas um ponto complicado de abordar: minha volta ao trabalho. Socorro!!! Estou com os dedos cruzados... Muita fé.

sexta-feira, 18 de março de 2011

Ai que medo...

Depois de mais de 5 horas dormindo - acho que ele só dormiu tanto durante o dia no comecinho de sua vida... Mateuzinho acordou, mamou, brincou, fez xixi e cocô, conversou comigo sobre a chuva e relutando só um pouquinho ele dormiu novamente.

Perfeito.
Agora então com esse barulhinho de chuva caindo a a noite chegando... ele vai dormir muuuuito.

Vixe!!!
Agora me bateu um medo... será que por ter dormido tanto de dia ele não vai dormir do mesmo jeito profundo à noite???

Apoio familiar

Uma vez a Claudia Munhoz me deu como dica que quando eu quisesse ter filhos seria bom eu morar perto da minha mãe. Concordei com ela... Mas o destino quis que eu tivesse filho ainda morando longe dela... Talvez porque ele sabia que mesmo assim mamãe faria de tudo pra ficar juntinho e me ajudar.

E foi isso que aconteceu... No primeiro mês de vida de Mateuzinho minha mãe veio aqui todos os dias. No começo acahava exagero, dizia que não precisava, mas com o passar dos dias veio o cansaço por conta da trabalheira que meu pequeno dava e fui gostando da ideia de sua presença - até abusando algumas vezes... rsrsrs

E para minha sorte não foi só minha mãe que me ajudou desde então...

Luiz estava de férias na época do nascimento e assim esteve presente sempre (5 dias corridos de licença para os homens é piada... de mau gosto!!!). Além disso, mesmo voltando a dar aulas ele tem uma manhã e um dia inteiro livres... maravilha.

Meu pai sempre disponível para tudo. Minha sogra Mirna, que esteve sempre presente, e mesmo voltando a dar aulas também vem aqui nos seus horários livres. Minha cunhada Marta que também vem aqui pelo menos uma vez por semana. E sem falar na Prazeres, faxineira fiel da família toda. E o mais maravilhoso: tudo gente do bem que traz alegria e paz...

Assim, é muito raro eu ficar sozinha como hoje. Além de Mateuzinho sempre tenho companhia e ajuda com Mateus e também com outras tarefas da casa como cozinhar, lavar louça etc.

Estou com uma vida muito boa... por isso agradeço a todos os familiares (também meus irmãozinhos e cunhadinha), pois realmente ter filhos dá uma trabalheira danada e se não recebemos apoio a gente pira mesmo. Tanto que hoje que estou sem essas pessoas queridas, Mateus dorme há mais de 5 horas, e a ideia de acordá-lo ainda não saiu de minha cabeça!!!

Se o Raphael e a Marieta estivessem aqui eu os deixaria acordar o príncipe...

Devo estar mesmo muito pirada...
hahahahaha

Vou acordá-lo!!!

Uma de minhas maiores metas com Mateuzinho tem sido ajudá-lo a dormir durante o dia quando ele está com sono, mas mesmo assim não cede. Já falei isso várias vezes aqui...

Mas hoje ele está dormindo demais!!!
Faz quase 5 horas que está dormindo...
Justo hoje que estou sozinha???
Acho que vou acordá-lo pra me fazer companhia...

hahahahahaah

Claro que não... brincadeirinha, apesar de estar sozinha eu me contento em me distrair com "O clone", só para vê-lo dormir gostoso.
Mas que a hora que ele acordar eu vou agarrá-lo muito de tanta saudade que estou... ah, eu vou!!!

Cama compartilhada

Cama compartilhada... Tem gente que defende, gente que defende com algumas regras, gente que faz uso só no desespero e gente que nem assim o faz.

Na minha opinião, é importante que a criança tenha um cantinho só dela (não podendo ser um quarto, um canto mesmo de um quarto), pois isso lhe traz segurança, tranquilidade e independência. Lembrando que para ser a criança sentir que é dela ela precisa do incentivo dos pais, afinal, se os pais não estão seguros em deixá-la sozinha em seu canto, porque ela se sentirá segura? Ela também precisa aprender a curtir seu cantinho, se acostumar com o cheirinho, as cores, os objetos assim como precisa se sentir segura em ficar sozinha, mas precisa sentir a segurança de que se precisar de alguma coisa receberá ajuda imediata.  Por fim, os pais merecem continuar com sua vida de casal, não é mesmo?

No caso do Mateuzinho, ele tem o quarto dele, no qual sempre dormiu tranquilamente durante à noite. Já durante o dia, no início ele estranhava e preferia dormir no moisés na sala, mas agora tem conseguido gostoso no quarto mesmo sendo de dia: primeiro, porque o moisés ficou pequeno (rs) e segundo, porque aos poucos o incentivamos, ele foi se acostumando e agora ele tem curtido bastante.

Mas por enquanto existem 2 situações que o coloquei para dormir na minha cama e do Lu.

Como já disse em outras postagens, Mateuzinho cisma em ficar acordado durante o dia. Apesar de cada vez estar conseguindo se render mais facilmente contra o sono, algumas vezes não tem jeito: ele quer vencer a batalha a qualquer custo e depois de um tempo acaba ficando irritado. Nesses momentos, em que não consegui acalmá-lo de jeito nenhum eu o coloquei na nossa cama e pronto... dormiu que é uma beleza!!!

A segunda situação é que durante algumas manhãs que ele acorda para mamar, eu estou ainda morrendo de sono. Mesmo assim, dou mamar, brinco com ele, troco sua fralda e aí o levo para a minha cama: faço um cafuné nele para ele relaxar e dormir e em seguida eu capoto junto... uma delícia!!!
Essa situação para mim é a mais gostosa, muito bom acordar olhando sua carinha... e às vezes é ele quem abre um olho só, dá uma espiadinha, e quando me vê dá um sorriso gostoso. Ultimamente sua mãozinha procura meu corpo e aí ele volta a dormir. Gente, é muito bom!!! Às vezes perco o sono tamanha emoção.

Enfim, na primeira situação, ele mostra que está precisando muito de um colo a mais para conseguir relaxar... E na segunda sou eu quem preciso, entretanto, muitas vezes ele não quer dormir, e eu respeito.

Minha mãe vive dizendo que vou acostumá-lo mal, que depois vou sofrer para tirar esse hábito, mas o que tenho deixado claro para ela é que não tem sido nem será um hábito, já que ambas as situações são raras de acontecer, são a exceção de nossa rotina.
Rotina é importante para todos, como já disse na postagem 'rotina', mas em alguns casos especiais, quebrá-la também o é. Além do mais, tenho que aproveitar enquanto é seguro, pois já, já ele estará rolando e será perigoso demais dormir na nossa cama.

E hoje foi um desses dias... estava podre, porque depois da mamada da madrugada tive insônia e demorei para conseguir voltar a dormir, mas depois tive uma deliciosa manhã dormindo com meu pequeno. E acordei revigorada!!!

terça-feira, 15 de março de 2011

Lorena Nastari: seja bem vinda!!!

hahahahah

Não falei que os nascimentos estão acontecendo quase que diariamente???

Hoje nasceu mais uma flor para alegrar esse mundo... a Lorena!!!
Estamos muito felizes pela chegada de mais esse ser, pois o mundo ficou mais bonito hoje.
O Mateus também está feliz, pois ganhou uma parceira de mil aventuras nas próximas temporadas do Acampamento Acamerê... hehehehe

Parabéns aos papais, nosso querido colega Ricardo e a doce Lu e também à super irmã mais velha, a Rafa.
Desejamos toda a felicidade do mundo a essa família linda que agora ficou mais completa!!!

Lorena, seja bem vinda!!!

Lembranças que servem de lição - Barulho

Quando eu tinha uns 10 anos meu pai comprou para a gente uma mini-moto que funcionava de verdade... era o máximo!!!

Um dia estávamos andando com ela numa rua tranquila quando uma mulher apareceu aos berros e começou a brigar conosco. Ela dizia que era um absurdo a gente fazer aquele barulhão danado (e fazia mesmo!) bem na frente da casa dela, porque ela tinha um bebêzinho. Rapidamente meu pai pediu desculpas e fomos embora, pois a brincadeira havia acabado, claro. Acho que essa foi a última vez que a usamos. Depois ela foi apodrecendo na garagem - até ser doada, vendida, sei lá.

Engraçado aquela cena ficar tão viva na minha memória até hoje - acho que foi a forma impetuosa daquela mulher reclamar, não precisava... Ela parecia uma louca falando com a gente sendo que bastava nos avisar que estávamos incomodando seu bebê.

Pois é... Já ouviram a expressão???
Quando a gente cospe pra cima, o cuspe volta na nossa testa.
Ela é a mais pura verdade.
hahahahaha

Hoje Mateuzinho começou a travar uma luta contra o sono, e quando finalmente capotou, seu sono não durou muito tempo, pois logo acordou por conta do barulho de uma furadeira de algum vizinho.

Naquele instante me lembrei da mulher... e acho que se soubesse de qual apartamento vinha o barulho eu também ia reclamar... hahahaahah
Ainda bem que logo consegui acalmá-lo e ele voltou a dormir gostoso...

O mundo dá voltas!!!
 hahahaahaha

segunda-feira, 14 de março de 2011

Decisão

Hoje tomei uma decisão importante... ufa, dá um alívio...

Sou muito cuca fresca, mas quando preciso tomar decisões importantes eu geralmente sofro bastante. Me faço mil perguntas, fico na dúvida, e tudo isso me provoca uma sensação de caos, mas ao mesmo tempo esse meu jeito de pensar para agir me movimenta a mudar, a crescer, a melhorar...

No final das contas acabo gostando de viver esse processo. Por isso também é raro eu me arrepender de uma decisão tomada, acho que porque já vivi tão intensamente o momento da crise que quando tomo uma decisão me liberto... e sigo adiante.

Hoje, sem arrependimentos, porque naquele momento era impossível saber de tudo que estava por vir, acabei voltando atrás numa decisão. Claro, depois de muita dúvida e muita crise... rsrsrs. Mas realmente pedi para não voltar agora ao trabalho e sim no semestre que vem. E para quem me conhece, saber que pedi afastamento do TRABALHO é porque realmente essa "história de ser mãe" deixa nossos sentimentos muito aflorados mesmo. Vamos ver se dá certo, já que havia me comprometido anteriormente. Se não der tudo bem, mas pelo menos sei que ouvi meu coração.

E por isso estou sentindo um alívio na alma. Se Mateuzinho novamente tiver uma noite tranquila de sono, hoje eu dormirei com os anjos, com certeza.

Boa noite!!!

Mateuzinho nunca teve problemas em dormir à noite.

Mas de qualquer maneira, era um relógio e a cada 3 horas pedia mais leitinho. Mamava, às vezes precisava trocar e às vezes não e dormia em seguida tranquilamente. Uma beleza!

Durante uma época, quase de manhã tinha dor de barriga, pois como tinha tanto sono acabava não fazendo força para expelir gases e cocô, o que depois de um tempo o deixava irritado. Mas bastava uma massagem, uma bolsa de água quente e às vezes 3 gotinhas de luftal para ele se livrar do que o incomodava e voltar a dormir.

Recentemente ele tem conseguido soltar gases e fazer cocô com mais facilidade e também tem conseguido esticar o tempo das mamadas, principalmente.

E essa noite foi a que Mateuzinho dormiu mais!!!

Primeiro foram 6 horas, depois 4 e depois 5, por fim acordamos às 11h para mamar e depois brincar... Maravilha!

Mas o mais curioso é que estou com mais sono do que as outras noites... rsrsrs
Realmente sono é uma coisa contagiante, quanto mais você dorme mais quer dormir.
Ainda bem que o tempo está propício para umas sonecas durante o dia... rsrsrsrs

Para escrever comentários...

Um monte de gente tem me escrito por email que tentou escrever comentários aqui no blog e não conseguiu...

Eu também não sei muito... A única coisa que sei é que você escreve o comentário e para quem tem conta no orkut ou gmail clica embaixo na opção CONTA GOOGLE. Em seguida, vai entrar a página de um desses dois (orkut ou gmail), então você coloca seu login e senha e o comentário está postado.

Acabaram de me ensinar mais um jeito e agora que mudei a configuração do site qualquer um pode escrever comentário como anônimo - só não esqueçam de assinar... rsrsrs

domingo, 13 de março de 2011

Acordá-lo ou não???

Ontem minha mãe, o Rapha e a Marieta vieram aqui em casa ver Mateuzinho.
Acontece que o príncipe finalmente tinha vencido uma batalha contra o sono!!!

Quando Mateus nasceu, como todo recém-nascido ele mamava e dormia facilmente. A gente o deixava no moisés na sala para as visitas o verem e ele sempre capotado.
Mas perto de completar 1 mês começaram as cólicas durante o dia, o que fazia com que não dormisse nos deixando malucos por vê-lo com dor e não conseguindo acalmá-lo.
Nesse momento, tivemos certeza de que Mateuzinho irritado é um terror!!!

Muitas coisas fizemos para aliviar suas dores de barriga (depois eu posso contar...) e foi dando certo.
No entanto, o moço gostou de ficar acordado de dia e não tinha como desligar toda sua energia. Balançava os bracinhos e as perninhas, chegou a quebrar um móbile musical de tanto que chutava, começou a interagir cada dia mais e claro, quando o sono vinha, ele, todo agitado, não conseguia se render e aí vinha a irritação. Dá-lhe pulmões (dele)!!! Dá-lhe paciência (nossa)!!!

Novamente fomos descobrindo maneiras de acalmá-lo (e nos acalmar também, porque isso faz toda a diferença) e também foi dando certo. Atualmente, ele tem conseguido mamar, brincar um pouco e quando o sono vem, dormir. No entanto, ele ainda precisa de ajuda durante o dia. Precisa de um colinho e uma chupeta para fazer a transição da agitação para a calmaria. Mas tendo essa rotina assegurada ele tem se mostrado um verdadeiro príncipe de tão fofo!!!

Sei que essa rotina ainda vai mudar bastante, porque ele vai crescendo e alterando comportamentos em função de suas necessidades e porque a gente vai acompanhando seu processo e ao mesmo tempo estimulando-o a ficar cada vez mais tranquilo por conta própria.

Mas o fato é que ontem nós fomos passear e ele não dormiu direito à tarde, o que fez com que quando chegássemos em casa ele tivesse uma crise de irritação precisando de muita ajuda. Quando ele finalmente dormiu a trupe chegou toda animada querendo fazer bagunça, e nesse momento, eu que nunca me imaginei sendo uma dessas mães bruxas que não deixam pegar o filho me vi sendo pela primeira vez... naquele momento foi por respeito a ele e a mim... estávamos esgotados.

De verdade, entre ser a fada da história e ter um bebê ferinha... eu escolho ser a bruxa (com prazer), pois assim ele pode fazer a vez de príncipe encantado - ainda que príncipe encantado não exista.
Mas isso não importa agora, pois este é apenas um capítulo de um conto de fadas.

No próximo capítulo o príncipe acordou e foi para o colo do pessoal - maior farra - até ficar com fome, claro, porque em contos de fadas contemporâneos nada dura para sempre.


E esse conto termina assim... e quem quiser que conte outro.

Para se emocionar: Saramago

Para quem quiser ler o texto que mencionei na postagem anterior:


Filhos são do mundo

Devemos criar os filhos para o mundo. Torná-los autônomos, libertos, até
de nossas ordens. A partir de certa idade, só valem conselhos.
Especialistas ensinaram-nos a acreditar que só esta postura torna adulto
aquele bebê que um dia levamos na barriga. E a maioria de nós pais
acredita e tenta fazer isso. O que não nos impede de sofrer quando fazem
escolhas diferentes daquelas que gostaríamos ou quando eles próprios
sofrem pelas escolhas que recomendamos.

Então, filho é um ser que nos emprestaram para um curso intensivo de
como amar alguém além de nós mesmos, de como mudar nossos piores
defeitos para darmos os melhores exemplos e de aprendermos a ter
coragem. Isto mesmo! Ser pai ou mãe é o maior ato de coragem que alguém
pode ter, porque é se expor a todo tipo de dor, principalmente da
incerteza de estar agindo corretamente e do medo de perder algo tão amado.

Perder? Como? Não é nosso, recordam-se? Foi apenas um empréstimo! Então,
de quem são nossos filhos? Eu acredito que são de Deus, mas com respeito
aos ateus digamos que são deles próprios, donos de suas vidas, porém, um
tempo precisaram ser dependentes dos pais para crescerem, biológica,
sociológica, psicológica e emocionalmente.

E o meu sentimento, a minha dedicação, o meu investimento? Não deveriam
retornar em sorrisos, orgulho, netos e amparo na velhice? Pensar assim é
entender os filhos como nossos e eles, não se esqueçam, são do mundo!

Volto para casa ao fim do plantão, início de férias, mais tempo para os
fllhos, olho meus pequenos pimpolhos e penso como seria bom se não
fossem apenas empréstimo! Mas é. Eles são do mundo. O problema é que meu
coração já é deles.
Santo anjo do Senhor...

É a mais concreta realidade. Só resta a nós, mães e pais, rezar e
aproveitar todos os momentos possíveis ao lado das nossas 'crias', que
mesmo sendo 'emprestadas' são a maior parte de nós !!!


"A vida é breve, mas cabe nela muito mais do que somos capazes de viver "

José Saramago


Frustrações

Na postagem "Dia das mulheres" escrevi que é importante a gente ter expectativas sobre nossos filhos para que eles não se sintam abandonados ("eu posso ser e fazer nada que tudo bem") ou com super poderes ("eu posso fazer tudo o que eu quiser que tudo bem"), deixando claro que não trata-se de expectativas sobre qual profissão ele vai seguir, por exemplo, mas sim sobre os valores que esperamos que eles incorporem às suas ações.

No entanto, é inevitável que a gente lide com as frustações. Elas acontecem o tempo todo em outros aspectos de nossas vidas, por que não acontecerão com nossos filhos? Claro que vão. Mas é importante a gente ter claro que são NOSSAS frustrações, somos nós que temos que nos tratar quando isso acontece.

Ao ler o texto a seguir do Saramago me dei conta também que as frustrações, apesar de geralmente serem vividas por nós como algo desagradável, têm um lado bastante positivo: elas nos mostram que não temos controle sobre as coisas que acontecem em nossas vidas, e muito menos sobre a vida dos outros.

Tomar consciência disso nos liberta, pois a gente deixa de se sentir responsável por tudo e por todos, aceitando que acontecem imprevistos e que os outros, como os nossos filhos, fazem as próprias escolhas. E assim, a gente se sente mais à vontade para aproveitar o que está acontecendo de bom e se esforçar - sem pressão - para melhorar o que não está bom.

Bom, pelo menos é assim que eu me sinto... mais leve e mais encantada com essa vida misteriosa!


Coração aberto

Como escrevi na postagem anterior, estou emocionada com a rede de apoio que construí com algumas mulheres por conta do assunto maternidade.

Assim, tenho me emocionado cada vez que um pequeno chega - e já foram tantos desde que engravidei - e comecei a sentir a maternidade de uma maneira diferente (Giovani da Paula, Giovani da Fofis, Lelê, Joaquim, Eduardo, Letícia, Olívia, Matheus, Felipe são apenas alguns nomes que me vêm à cabeça - e ainda há tantos que chegar: Pedro, Lorena, Luana, pequeno da Polly, bebê da Milena, o da Flávia... Isso sem mencionar outros de pessoas próximas a amigos e familiares - como o filho do Peu, o Lorenzo).

Também fico comovida quando sei das conquistas de cada um desses pequenos e quando compartilho as conquistas das mães; fico grata quando recebo ajuda seja vindo aqui para ajudar no trabalho braçal (rsrs) seja dando alguma dica; fico ainda mais grata quando essa dica vem de um jeito delicado sem me atropelar me deixando insegura; fico sensibiloizada quando ouvem com paciência meus desabafos, minhas dúvidas, crises e pirações; fico feliz quando me ligam ou fazem visita não só para saber do Mateus, mas para saber de mim e bater um papo descontraído, honrada quando me pedem alguma dica; fico aliviada quando confessam que também estão passando por momentos semelhantes, ainda mais quando estes são pesados; fico preocupada quando compartilham alguma questão de saúde complicada em relação à suas gestações ou seus bebês; fico solidarizada quando contam que algo não tem saído como o esperado; fico contente em saber que posso ser um ombro amigo para consolar as frustrações; fico animada quando contam que tudo não passou de um susto e que basta algum cuidado a mais que as coisas ficarão bem; fico esperançosa quando mesmo diante de algo complicado fazem um esforço para compreendem o incompreensível e seguirem adiante, tudo em nome dos filhotes, mas principalmente fico orgulhosa de saber que existe tanta mulher guerreira ao meu redor.

Rede de apoio

2010 foi um ano muito fértil para as mulheres ao meu redor. Estou em contato diário com grávidas e mães fresquinhas... Isso sem falar das mulheres que sonham em um dia (próximo ou longínquo) ter filhos, as que já são macaca-velhas, as que com tanta gravidez no ar estão elaborando se querem mesmo ter filhos ou não querem e ponto final como também as que se assustam com o assunto, mas mesmo assim não deixam de me dar apoio.

Ao trocar experiências tenho me emocionado junto com as todas essas mulheres... Ainda mais que ando emotiva de um jeito que nunca fui. Mas a verdade é que sempre o fui, mas muitas vezes não colocava para fora e guardava para mim. Com a experiência da maternidade tenho conseguido expressar o que sinto, afinal, agora eu falo "eu te amo!!!" todos os minutos de meu dia, fico babando num serzinho pequeno, comemorando cada conquista, me derretendo com os sorrisos, sentindo orgulho do que eu e o Lu geramos e por isso sentindo mais amor por ele, ficando grata com o apoio da família e dos amigos, sentindo na pele os "perrengues" que minha mãe passava quando éramos bebês e me solidarizando com as histórias ao meu entorno.

É um momento de muita sensibilidade... às vezes me sinto até à parte do mundo. Tsunami no Japão??? Para mim, os tsunamis acontecem quando Mateuzinho não consegue dormir durante o dia e fica irritado... rs

Enfim, algumas dessas mulheres nem eram tão próximas, mas esse assunto nos aproximou e  agora trocamos palavras amigas e nos solidarizamos umas com as outras. Uma verdadeira rede de apoio às mulheres!!!

Quero dizer a todas ... MUITO OBRIGADA!!!

sábado, 12 de março de 2011

Blog lúdico

Meu maridão ficou com ciúmes do meu envolvimento com esse blog e resolveu criar o dele... rsrsrs
Achei o máximo, porque ele tem mesmo muito a compartilhar...

Luiz tem uma história profissional bonita de quem não se achou na primeira faculdade nem nos primeiros empregos, mas não desisitiu até se encontrar.

"O correr da vida embrulha tudo.
A vida é assim: esquenta e esfria,
aperta e daí afrouxa,
sossega e depois desinquieta.
O que ela quer da gente é coragem."
(João Guimarães Rosa)

Assim, ele obteve muitas conquistas: hoje é professor de educação física para crianças de 4 a 14 anos (ele arrasa!), trabalha em acampamentos e eventos, e depois de um curso de especialização desabrochou todo seu potencial lúdico e está cada vez mais poderoso.

Quem o conhece há muito tempo percebe que o quanto está mais realizado, mas ele ainda quer mais...

“O senhor… mire, veja: o mais importante e bonito, do mundo, é isto:
que as pessoas não estão sempre iguais, ainda não foram terminadas -
mas que elas vão sempre mudando. Afinam ou desafinam, verdade maior.
É o que a vida me ensinou. Isso que me alegra montão."
(João Guimarães Rosa)

Por isso que sempre defendi que as pessoas têm que fazer o que a satisfazem; trabalho tem que dar prazer senão é muito chato.

Com o maior orgulho faço a propaganda:   espacoludico.blogspot.com

Mateuzinho tem sorte de ter esse pai tão especial e intenso!!! E eu de ter esse maridão!!! Amo.

Felipe Passetti: seja bem vindo!!!

Pois é, 2010 foi um ano fértil e agora os nascimentos são praticamente diários... rsrsrs

Existe dádiva maior que essa???
O nascimento de bebês tem me emocionado muito. Primeiro pela minha história recente com a maternidade, mas principalmente pela chegada de seres especiais que me deixam mais esperançosa.
Para mim, ter filhos atualmente - com tanta coisa ruim que ainda acontece - é fazer uma aposta no nas pessoas. Uma aposta de que a gente pode presentear o mundo com pessoas bacanudas que poderão fazer as coisas mudarem - para melhor.

Ontem foi a vez do Felipe chegar nesse mundo para fazer a diferença.
Ele é filho da Leka e do Passetti - amigos queridos e nosso cupidos... rs
Aos pais, todo nosso carinho e admiração pela família que cresceu - deve ser delicioso descobrir que a gente pode amar tanto um filho (como é o caso deles com a Manu de 3 anos) e também pode amar muito um outro ser que acabou de chegar. Lindo!!!

E ao Felipe, toda felicidade do mundo... e que seja bem vindo!!!

Hoje mesmo vamos te conhecer para te dar um cheiro... rs

sexta-feira, 11 de março de 2011

Email da UOL está o Ó

Desde ontem não estou conseguindo acessar meus emails decentemente.

Ora não entra, quando entra, trava, quando me deixa responder, não envia.

Agora que estou num momento conseguindo manter em dia meus emails - e me divertindo com toda essa interação virtual - acontece isso...

Droga.

quinta-feira, 10 de março de 2011

Matheus Custódio: seja bem vindo!!!

Nasceu o xará do Mateuzinho... mas é um Matheus com H!!!! hahahaha

Paty e Fininho, imaginamos a alegria e emoção que estão sentindo nesse momento... é mesmo algo único, incrível e indescritível!!! Me dá vontade de chorar só de relembrar a emoção do nascimento do meu Mateuzinho.

E como já te disse Paty, é um amor que cresce mais a cada dia... é lindo, sublime!!!
Por isso estamos muito felizes por vocês e desejamos muita felicidade... sempre!!! Vocês formam uma família maravilhosa que agora está transbordando amor, aproveitem!!!

Também estamos ansiosos para os xarás se conhecerem... e se curtirem. Então assim que possível a gente marca um encontro para a gangue dos pequenos começar a se formar.

E Matheus... seja bem vindo!!!

Frio no Carnaval???

Destesto frio. Sempre detestei e sempre vou detestar. E ainda por cima frio no Carnaval??? Nada a ver!!!

Mas reconheço que se o frio não tivesse chegado agora Mateuzinho teria deixado de usar os macacões tamanho P, e eu ia morrer de dó... Porque já dá muita pena vê-lo perder roupas que só usou 2 ou 3 vezes, e ia dar muito mais pena vê-lo perder roupas que não usou nenhuma vez... Mas deu certo.
E por falar nisso, uma dica: mesmo que a época do ano seja quente a criança precisa ter roupas quentes. Primeiro porque acontecem essas viradas de tempo malucas e segundo, porque o bebê faz mais xixi - e às vezes escapa e terceiro, porque quando está frio a roupa não seca rápido ainda mais sendo de um tecido mais grosso. Então num momento você acha que ele tem roupra pra "dedéu" e no outro ele não tem. Ainda bem que Mateus foi muito bem presenteado... Maravilha.

Mas apesar de detestar frio também reconheço outro lado positivo desse friozinho que chegou fora de hora: Mateuzinho se sentiu melhor, pois não suou, ficou menos cansado, dormiu mais e melhor.

Ai céus... E agora??? Torço para o frio ir embora ou ficar???

Vamos trocar?

Cuidar de crianças é fazer uma investigação constante do que está dando certo e o que não está. E como minha mãe vive dizendo, quando uma coisa melhora a outra piora. O foco do momento com o Mateus tem sido a quantidade e os horários das mamadas.

Mateus tem conseguido dar um espaçamento maior entre as mamadas, o que é muito positivo para todos nós!!! Mas às vezes acabo dando mamar para ele, porque estava habituada e quando vejo ele ainda não estava com tanta fome... e dá-lhe gorfada... em mim, claro!
Como já disse numa postagem anterior, acho que as crianças fazem essas não só porque o corpo delas e necessidades vão mudando, mas porque querem que continuemos o tempo todo conectadas a elas e não entremos no piloto automático. Elas querem que a gente as observe, as conheça para assim se sentir segura de que realmente está sendo bem cuidada... e amada!!! Sim, porque para cuidar tanto tem que amar, mas também ao cuidar tanto acabamos amando ainda mais. Uma loucura de amor!!!

Mas também estamos investigando a quantidade, pois quando está com fome pra valer ele tem mostrado vontade em sugar mais - às vezes ele está mesmo com fome, pois pede para mamar mais do que o habitual, mama e fica bem, mas outras vezes ele exagera, descontrole mesmo e depois fica passando mal, como se tivesse comido uma feijoada completa.

E para mim tem sido difícil esse momento, pois a ideia de que ele está passando fome, e eu com meus super peitos é difícil... preciso deixar de entender que estou negando comida a ele e sim cuidando dele ao ensiná-lo um monte de coisas como por exemplo, que existem outras formas de se acalmar, caso seja esse o motivo dele querer mamar, que é bom esperar para mamar quando a gente está com mais fome, pois mama melhor, que comer exagerado deixa a gente passando mal e que existem horários de se alimentar. Um processo... mais meu do que dele.

Ontem foi um desses dias em que não percebi e ele exagerou. Depois de duas boas gorfadas em mim, o sentimento da culpa estava começando a me dominar vendo-o passar mal, pois só passava pela minha cabeça: "Por que eu dei? Devia ter esperado ele reclamar mais para ter certeza...", enfim, coisas como essas quando resolvi que não ia ficar mal e fui até a cozinha e perguntei para o Luiz:
                                                    
                                                            Vamos trocar?


Assim, o Lu ficou acalmando o Mateus e eu fiquei lavando a louça do almoço.
Depois, Mateuzinho se acalmou e nós dois ficamos juntos, babando nas gracinhas que ele fez. Maravilha.

Super peitos... Ativar!

Após o parto os médicos deixaram nós três sozinhos por um tempão e pela primeira vez Mateus foi para o meu peito e começou sua vida como um super sugador... e eu experimentei a delícia de amamentar. Claro que desde a gestação vinha o alimentando, o que já era muito emocionante, mas poder vê-lo se alimentando foi ainda mais mágico - foi sublime!

Desde o início Mateuzinho mama rápido, uns 15, 20 minutos em geral são suficientes tamanha sua capacidade em sugar. Em geral quando fica mais tempo no peito é para curtir um pouco mais o momento.

No início ficava aflita com o pouco tempo que ele mamava, achava que estava mamando pouco, e minha aflição era ainda maior, pois como por 3 dias ele ficou na semi uti, por suspeita de uma bactéria - que no final não foi confirmada, eu tinha horários fixos para dar de mamar e ficava aflita com a ideia dele vir a passar fome - até porque nesse caso lhe dariam leite industrializado de complemento na mamadeira - o que também era aflitivo, já que podia amamentá-lo.

Só relaxei mesmo quando as enfermeiras viram que ele mamava direitinho e quando uma delas para testar tentou dar complemento depois da mamada e ele regurgitou tudo, pois já estava cheio. Essa foi a primeira vez que me senti poderosa: estava conseguindo alimentar com meus peitos o meu pequeno. Uma sensação maravilhosa!

Como disse a Cricia no dia que o viu mamar: "Que coisa linda Ju! Você com esses peitinhos amamentando super bem!" hahahaha

A natureza é linda e sábia mesmo... realmente meus peitos nem com a gravidez cresceram, mas dão leite que é uma beleza. Pois é, perdi a única chance que tinha de ficar peituda... hahahaha   Agora só com silicone!!!! hahahaah

Também ri muito a primeira vez que meus peitos soltaram umas esguichadas... é cômico!!! E quando precisei tirar leite para deixar para ele no hospital??? Cheguei no Banco de leite e recebi um "kit ordenha"... hahahaha   Uma verdadeira vaca... isso me lembra minha infância na roça em Jambeiro que a gente pegava uma xícara com toddy e colocava de baixo da vaca e tomava um leite quentinho e espumoso... muito bom... vou colocar toddy no bico para o Mateus... hahaha

Outro momento que me senti poderosa foi quando a pediatra calculou quanto de peso Mateus está ganhando por dia... na época o ideal era entre 20g e 40g e ele estava ganhando 47g... Uau!!!
Mérito dos meus peitos e do sugador Mateus... A Cricia também o viu abocanhar meus peitos... É demais! Mateus locão!!!

Luiz vive me perguntando se dói amamentar, já que algumas vezes que Mateus estava aflito chegou a sugar seu braço e ele achou que era muito forte - e é mesmo. Minha mãe também que o diga, porque Mateus já deixou o braço dela roxo várias vezes... É um chupão mesmo!!! Mas na hora de mamar ele não põe toda aquela força, porque não precisa, só de apalpar um pouco o leite sai tranquilamente.

Acho muito gostosa a sensação, mas também tive sorte de meu peito não rachar. Na gravidez passava uma bucha no banho dessas de lavar louça mesmo, primeiro a parte amarela e depois quando estava acostumada a parte verde. Mas cuidado: na primeira vez me empolguei porque não estava doendo e quando percebi estava sangrando. Doeu muito! Dizem que banho de sol é bom, mas eu não tinha onde ficar... rsrsrs Quando estou amamentando e meus seios começam a doer eu já sei que ele acabou de sugar leite e só está me chupetando... Não é sempre que ele me chupeta, mas quando o faz é assim...

Afinal, como já disse numa postagem anterior constatei que o Luiz tinha razão: o Mateus me vê como uma mamadeira gigante!!! rsrsrs   E faço uma ressalva: para ele, a melhor mamadeira gigante!!! hahahah

quarta-feira, 9 de março de 2011

Parabéns Ká!!!


Hoje é aniversário de minha prima querida, a Karina.

Na verdade, a Ká não é minha prima de verdade... rsrsrs
Ela é uma prima postiça, porque nossos pais são muito amigos, e foi uma delícia poder crescer com alguém que não é da família, mas torna-se parte dela à medida que ganha importância em nossas vidas.
Karina é uma dessas pessoas... crescemos juntas e temos um zilhão de histórias boas para contar...
Histórias da infância (saudades), da adolescência (vixe!) e da vida adulta (sinto falta...).

Para a Ká, desejo tudo de mais maravilhoso que há nesse mundo, pois ela merece!
Amo muito vc e principalmente a nossa história. Quero muito tê-la ao meu lado para sempre! Te amo!!!

Para o Mateus, desejo que ele também tenha pessoas especiais em sua vida que o acompanhem em sua trajetória para poder compartilhar risos e lágrimas, porque isso é o que torna nossa vida importante: saber que vivemos plenamente os momentos ao lado de pessoas especiais!!!

Ká, me deu vontade de te dar um agarro... vem pra SP comemorar!!!

Angu!!!

Mateuzinho está muito falante... uma delícia!!!

Mil experimentações, mil barulhos, cada um de um jeito para uma hora diferente.
Às vezes ele faz pra gente um som tipo: "Ói" e quando olhamos pra ele e ele nos dá um sorrisão.
Danado! Quer o tempo todo ser o centro das atenções... rs
Sorrisos também está dando um monte... Fofo!
Mas o que ele mais fala é " ANGU !!! "
Outro dia estive pensando o que isso deve significar... e descobri!!! rsrsrs
Se o que ele mais fala pra mim e pro Luiz é "Angu" então só pode significar "Eu te amo!"
hahahaha

Mateuzinho, a gente também ANGU você.

A curpa é das muié !!!

Como já disse nas primeiras postagens, o sentimento de culpa por errar e fazer com que Mateus passe uns "apertos" foi o que me impulsionou a escrever esse blog... Sendo assim, vira e mexe refletirei a respeito. Quem não tiver afim de ler a respeito que pule a leitura dessa postagem... sem culpa!!! rs

Ontem foi dia das mulheres... quanta coisa mudou para nós... uma mudança justa e brusca. Quanta coisa a minha geração ouviu falar a respeito da vida de nossas antepassadas que atualmente não combina mais... parece história pra boi dormir. Mas mesmo assim, ainda há muito o que se igualar em termos de direitos. Outro dia mesmo um amigo do Luiz contou que finalmente sua esposa - que trabalha na mesma empresa dele há mais tempo e com mais responsabilidades iria ganhar a mesma quantia que ele (e só porque ela deu um basta no chefe!).

Neste dia cheguei à conclusão que em alguns aspectos "o tiro saiu pela culatra" e toda a cobrança que existia antes para a mulher ser uma boa esposa, uma boa dona de casa e uma boa mãe continuam... E ainda por cima se somam a outras cobranças que a sociedade (e ela mesma) se fazem como, por exemplo, ser uma boa profissional e ter um corpo esbelto. Uau... temos que ser mulheres perfeitas!!!
Com isso também seremos frustradas!!! Claro, porque ninguém conseguirá ser boa o tempo todo em todos esses aspectos.

Claro que depois de tanta luta temos que aproveitar todas as possibilidades que estão aí no mundo para a gente, sem ser um peso, sem virarmos reféns de nós mesmas. Nossas escolhas precisam nos dar prazer!!! Afinal, ser feliz não pode ser uma obrigação... Senão de que valeu tanta luta???

Enfim, este meu momento "maternidade total" tem me feito sentir na pele quase todos os dias a dor em errar (e dói muito), a angústia do não-saber, o medo do desconhecido e claro, a frustração em reconhecer que por mais que eu tente eu ainda erro. Contudo, este mesmo momento também tem me feito sentir a maravilha em descobrir que eu acerto bastante, que um vínculo com outro ser humano não se apaga por conta de um erro, que posso não ser boa em tudo, mas dou conta do recado, que tenho um companheiro que está ao meu lado como meu marido e pai do Mateus e que meu envolvimento diário com esse pequeno tem valido à pena, pois a cada dia amo mais meu filho, ele está mais fofo e por tudo isso tenho certeza de que sou a melhor mãe que eu poderia ser para o Mateus. E ponto.

terça-feira, 8 de março de 2011

Dia das mulheres 2011



Viva todas as mulheres do mundo!!!
Por toda nossa história, nossa luta e nossas conquistas... viva!!!

Um dia quando estava grávida, refletimos na escola sobre a importância de termos expectativas em relação às crianças e me perguntaram o que eu não aceitaria que o Mateus fizesse. Muitas coisas me vieram à cabeça... Mas dentre elas uma se destacou e foi o que respondi no momento: não aceito que o Mateus desrespeite uma mulher. Isso para mim será muito doloroso. Mesmo. Sendo assim, conversamos que meu papel como sua mãe será o de mostrar a ele a importância em respeitar as mulheres, pois trata-se de um comportamento que deve ser ensinado e valorizado. Em outras palavras: preciso ser e oferecer bons modelos.

Depois fiquei pensando que com o tempo, Mateus poderá tomar decisões de acordo com que ensinei ou não. Mas certamente sempre estarei ao seu lado para incentivá-lo a agir de acordo com o que valorizo, pois existem algumas coisas negociáveis e outras não. Para mim, por exemplo, respeitar as mulheres é uma dessas coisas inegociáveis. Caso ele aja com descaso a respeito, pode ter certeza que haverá muita conversa séria entre a gente.

Como educadora acredito que o fato de deixar claro para ele os valores que espero que cultive o deixará mais orientado e seguro. Afinal, o contrário dessa situação, que é a ausência de expectativa pode lhe parecer abandono: eu posso ser e fazer qualquer coisa que meus pais/ professores/ avós... aceitam??? Não, é a minha resposta. Sem orientação as crianças ficam perdidas "eu posso ser nada que tudo bem" ou sentem um poder absoluto "eu posso fazer o que eu quiser, que tudo bem".

Claro que existem adultos que exageram e colocam uma super expectativa em cima das crianças... Elas precisam ser boas em tudo e até suas personalidades são projetadas pelos pais. São troféus para os pais, e precisam realizar o que eles não realizaram, às vezes colocando em jogo o amor deles como barganha. Não estou defendendo esse tipo de relação e atuação.

Acho que sempre temos que nos cuidar para respeitarmos os pequenos. Até porque desde pequenas as crianças podem exercer suas liberdades de expressão - importante exercício em direção à conquista de sua gradual independência e bem mais tarde à conquista do prêmio maior de todos: sua autonomia.

Como já foi dito: "Tão importante quanto cuidar do planeta que deixaremos às crianças é cuidar das crianças que deixaremos para o nosso planeta". Para isso, os adultos responsáveis devem acompanhá-las nesse processo ainda que esse acompanhamento vá se modificando à medida que o sujeito vai crescendo, ganhando experiências e exercendo sua autonomia.

É bonito, doloroso e saudável ciclo da vida!

Enfim, tudo isso para dizer que farei de tudo para ajudar a formar um ser do bem para o planeta... e que todo dia 8 de março esse ser diga, de coração, para as mulheres ao seu entorno (começando por mim, claro!!! hehehe):

Parabéns pelo dia das mulheres!!!

Agora ninguém me segura...

hahahaha
Agora que descobri que Mateus já é um moço independente e nem sente a minha falta (hahaha) então vou aproveitar!!!

Ontem eu e o Lu fomos dar umas voltinhas... rsrsrsrs
Muito bom!!!

Compramos coisas para a gente... e claro, coisas para o príncipe!!!
Eita garoto mimado!

domingo, 6 de março de 2011

Mamadeira gigante

Ontem acabei indo ao casamento do Gui e da Talita... eba... consegui, ou melhor, conseguimos já que foi um trabalho de equipe... rs
Primeiro tivemos que pensar em soluções para dar um trato no meu "visu"... rs
Para o cabelo horroroso: rabo de cavalo, para as unhas não feitas: eu mesma tirei as cutículas, para o nariz vermelho da rinite do dia anterior: maquiagem (leve, claro!) e para a roupa de verão: meus pais (fofos) saíram para comprar uma meia calça.
Depois aproveitar que Mateuzinho ainda estava dormindo (aliás, daria para ter ido à cerimônia também, já que dormiu 5 horas) para tirar leite com a bomba. No começo saiu pouco, mas depois deu tudo certo. Obrigada Maria!!!
E por último esperar o príncipe acordar para dar de mamar, pôr pra arrotar, trocar fralda e pôr pra dormir.

Tudo certo... fomos e nos divertimos conversando com familiares. Muito bom!
Na volta liguei para minha mãe, pois caso ele acordasse era para enrolá-lo e não dar a mamadeira, pois chegaríamos em 10 minutos.
Ao ligar soube que fazia meia hora que ele acordou aos berros, meus pais tentaram colinho, chupeta com funchicórea, massagem e como os berros não cessaram viram que era fome mesmo. Morrendo de medo, esquentaram a mamadeira (seria o grande teste), e para surpresa geral, ele mamou super bem e tudinho.
Depois se acalmou e capotou.

Um misto de sentimentos invadiu meu peito: orgulho por ele se sair bem, e ter conseguido dar esse pequeno grande passo de independência e tranquilidade em saber que quando for preciso novamente eu poderei deixá-lo com pessoas queridas. Ao mesmo tempo me deu um pouco de ciuminho... Pôxa, ele não sentiu falta de meu cheirinho, meu colo, minha voz, meu aconchego???? snif
Nesse momento, Luiz para variar, só me provocando:
"hahahaha... eu não disse que ele te vê como uma madeira gigante???"

Tive que rir junto...
Continuamos rindo e conversando no carro e claro que rapidamente chegamos à conclusão que entre as duas opções: ele ter mamado bem e dormido gostoso e não ter mamado e ter continuado aos berros nós ficamos com a primeira opção. Com certeza!!!
Apenas estou elaborando meus sentimentos para assim como o Mateus conseguir dar meu pequeno grande passo como mãe na direção de deixar me filho crescer para o mundo.

Por fim, hoje, minha mãe, como toda boa mãe, me disse que nas outras mamadas que seguiram a madrugada ela percebeu que quando eu o peguei ele não chorou com a mesma intensidade nem mamou com os olhinhos fechados de satisfação.
Obrigada mãe!

sábado, 5 de março de 2011

Sair ou não sair???

Neste exato momento estou no final do dilema: "Sair ou não sair?" Traduzindo na linguagem das mães: "Sair e deixar meu filho ou não sair e ficar com meu filho?"
Desde que meu pequeno nasceu já saí sem ele...

A primeira foi no casamento do Luquinhas e da Paula. Estava numa fase mais animada, querendo seguir com a vida de outrora além do que demos muita sorte: a cerimônia foi ao lado da casa da minha mãe que junto da mãe do Lu se dispôs a ficar com o Mateuzinho. Então tinha um esquema perfeito: deixá-lo dormindo com as vovós, ir assistir a cerimônia e voltar para amamentar... e como o amigo era do Luiz só ele seguiria pra festa, que por mim naquele momento tava tudo certo.  No dia demoramos um pouco para sair porque parecia que ele sabia e não queria para de mamar, mas acabou dando tudo certo.

A segunda vez foi para conhecer meus futuros alunos e dizer: "Oi gente, eu existo, agora não posso vir, mas depois eu volto". Armei um esquema com minha mãe: banho, muito mamar e ele capotou. Deu certinho para ir e voltar sem ele acordar.

A terceira foi recentemente quando ele já tem aguentado ficar mais tempo sem mamar, o que me deixou tranquila. Ele também tinha acabado de mamar e estava dormindo com o Luiz e minha mãe me levou às compras... hahahaha. Esse dia foi ótimo não pelo consumo em si, mas por poder escolher minhas coisas (depois falo mais disso). Voltamos e ele estava acordado, mas tranquilo com o pai.

Hoje temos um casamento de um primo querido. Mas a cerimônia é longe, não fiquei confiante mesmo tendo conseguido emprestada de minha Princesa Isabel que me libertou, a MARIA, uma bomba elétrica, e assim minha verdadeira carta de alforria. Então Luiz já foi sozinho. A dúvida é sobre a festa que será mais pertinho daqui e o Lu viria me buscar aqui na minha mãe... Quero ir, ver todo mundo, dançar, me divertir com o Lu e aprender a ficar longe de meu filhote. As chances de dar certo essa empreitada são enormes, já que ele dorme muito bem à noite, ainda mais com o friozinho que está fazendo, podemos dar a mamadeira e caso não dê certo, estou relativamente perto para minha mãe nos chamar.
Acho que vou... Ai, ai, ai

Mas agora outro problema (não só as mães me entendem, mas todas as mulheres): não fiz as unhas, meu cabelo tá um bagaço, meu nariz vermelho e inchado por causa da crise de rinite de ontem, a roupa tá de verão sendo que tá frio.. E agora????

Atchim!

Ontem me deu um ataque bravo de rinite... fico com coriza, dor no corpo e crises de espirros...
Num momento em que estava amamentando o Mateuzinho me deu uma dessas crises... eu espirrava, ele perdia o peito e chorava... ele encontrava o peito, eu espirrava, ele perdia e chorava...
Até que uma hora o deixei de lado - aos berros de fome (coitado!), dei todos os espirros do mundo, altos e escandolosos como sempre... quem já ouviu sabe bem... rsrsrsr até que finalmente senti aquele alívio gostoso que dá depois de espirrar (sabe, de ter se livrado de algo incômodo) e peguei meu fofo de novo... que mamou gostoso e feliz com uma mãe falando fanha: "Filho, me desculba é que te ambo"!

sexta-feira, 4 de março de 2011

"Cuida bem do meu filho!"

Ontem eu e Mateus pegamos uma carona com a Fe Renner para irmos até a casa da Maria. Foi uma aventura como é toda vez que saímos de casa carregadas de coisas do bebê... rsrsrsrs

A Prazeres precisou me ajudar a carregar as coisas, levei um século para conseguir prender a cadeirinha no carro, no final das contas foi o Luiz quem conseguiu prender decentemente, o carrinho precisou ir no banco da frente (que a cada curva caía na Fe), estava chovendo, a Maria mandava mensagens pra gente "Fome" e ainda por cima Luiz me liga - segundo ele para fazer uma brincadeirinha - dizendo assim: "Cuida bem do meu filho!"

Sorte dele que tinha a Prazeres como testemunha de que me ligou para provocar mesmo, porque senão ele ia escutar um monte... Mas cá entre nós, enquanto esperava a Fe tive mesmo um pouco de frio na barriga em sair com Mateus sozinha, só eu como responsável legal pelo menor em questão!!! hahahaha

Mas ele não precisa saber disso... Ele, a Fe, a Maria e o Luiz Camacho (que furou) precisam saber sim que o encontro foi o máximo!!! Amei... parecia que tinha visto as meninas ontem e que ainda trabalhava na ONG... bom se sentir parte de um grupo, né? Se sentir querida!!! É muito bom também poder compartilhar experiências com pessoas importantes em minha vida assim como colocá-las em contato com meu filhote (fofíssimo) para que ele sinta o quanto elas são especiais para mim.

Enfim, foi uma delícia, pena que passou rápido...

Mas valeu, deixou gostinho de quero mais e também valeu para eu poder falar, não para o Luiz, mas para mim mesma... que eu dou conta do recado!!!

quinta-feira, 3 de março de 2011

Rotina

Muito bom... as mamães fresquinhas estão me respondendo via email o quanto que também para elas é difícil o sentimento de culpa que bate quando não conseguimos entender os sinais que os bebês nos dão.
Senti uma cumplicidade nos relatos e agora me sinto mais forte... espero que elas também se sintam assim...
Preciso dizer que para mim já valeu começar essa história de blog!!! rsrsrs

Engraçado é que duas narraram a primeira noite em casa - sim, a tão sonhada, mas também tão temida, já que não temos mais o botão de chamar a enfermeira... rs
No caso do Mateus, a primeira noite em casa foi maravilhosa, desconfio que ele estava estressado com o hospital (ele acabou ficando um tempo a mais - depois conto essa história) e acho que quando veio para um lugar aconchegante, silencioso, sem outros bebês chorando, sem ninguém acordá-lo para dar agulhada (tadinho do meu Robocop), respeitando seu ritmo e não a rotina padrão, e podendo ficar comigo o tempo que quisesse (hahahaha), pronto... ele relaxou e não dormiu... simplesmente hibernou pelos próximos dias!!!

Mas claro que isso não durou muito... Nos outros dias quando estava incomodado, colocava os pulmões pra trabalhar e não chorava... gritava!!! Ai que agonia... Não conseguir ler seus sinais e ainda por cima com ele se esgoelando (é assim que escreve???)... me deixava muito tensa.
Mas aos poucos, o vínculo que é enorme desde a gestação, a nossa investigação constante e a percepção que os bebês começam a fazer sobre o que fazem e o que acontece, sobre o que sentem, se é agradável ou não (obrigada Piaget!) faz com que nós e eles comecemos a nos sentir mais confortáveis - nós, no papel de cuidadoras (porque passado o momento de agonia a gente percebe que era ÓBVIO o que eles estavam nos dizendo - talvez daí o sentimento de culpa ser tão grande) e eles, se sentem mais confortáveis nesse mundo à medida que se acostumam com todo o ambiente e a gente corresponde mais prontamente ao que precisam.
No caso do Mateus, basicamente, ele fica ligadão de dia e depois tem dificuldade para dormir mesmo quando está exausto de sono - ou porque resiste quer continuar brincando ou porque fica tão incomodado que não consegue mesmo relaxar. Com a intervenção no momento que ele precisa, mais ajuda da chupeta e funchicórea fizeram com que ficasse mais tranquilo de dia, conseguindo curtir e depois relaxar.
Estamos numa fase deliciosa!!!

Claro que é como minha mãe diz (e é verdade mesmo)... toda vez que tá tudo muito certo ele faz algo para "quebrar nossas pernas"... e nos desorienta de novo...
Tenho pensando sobre o por quê fazem isso: acho que é para que a gente não entrar no piloto automático - que é um risco muito grande. Já me peguei fazendo coisas, como dar de mamar, porque naquele horário eu sempre dava, mas depois percebia que não era aquilo que ele precisava - e aí dá-lhe gorfada!!! Em mim, claro... Que preciso limpar essa sujeira bem como a culpa que vem com ela!!!
Mas em momentos serenos percebo que é uma grande lição que esses pequenos nos ensinam (assim como os pequenos alunos da escola também já me ensinavam): rotina é importante, traz segurança, nos ajuda a relaxar um pouco pra não ficar o tempo todo em estado de alerta e também para curtir cada descoberta nossa e deles, mas ficar preso a ela faz com que a gente deixe de perceber suas mudanças e assim não curta os novos comportamentos e descobertas e assim faça mais coisas erradas...
Enfim, um eterno aprendizado... e para mim, tem sido o mais delicioso... amo!!!

quarta-feira, 2 de março de 2011

Olívia: seja bem vinda!!!

Quando Mateus nasceu a Dani Dezordi me escreveu uma mensagem linda dizendo o quanto que se emocionava ao saber do nascimento de uma criança, pois relembrava tudo o que sentiu quando suas filhas nasceram. Pois é, agora entendo a Dani, porque primeiro fiquei extremamente emocionada com a chegada de Letícia, filha dos primos Ro e Lu, do Joaquim, filho da Pri, e agora da Olívia, filha da Lígia.

Realmente um filme passa à minha cabeça e todas as emoções ficam à flor da pele... Fico lembrando de nós duas no recreio falando sobre nossa gestação, de nossas conversas com as outras grávidas na sala dos professores e de um banco que rendeu assunto (outro dia falo mais dele... rs). Mas agora sinto vontade de chorar por poder ser abençoada em gerar um filho e por poder acompanhar o nascimento dos filhos de tanta gente querida.

Um sentimento tão pessoal, mas ao mesmo tempo tão universal daqueles que se sensibilizam com a chegada ao mundo de gente nova... gente que pode fazer a diferença, gente tão pequena que nos deixam tão grandes pela responsabilidade que temos para com elas, gente tão grande por trazer tanto amor.

Maria também me escreveu que estava emocionada por me ver assim... tão mãe... que como Larrosa diz a gente precisa ser atravessado pela experiência... na alma. Só assim a gente realmente experimenta e se transforma.

A experiência de ser mãe tem sido assim pra mim: transformadora e reveladora... hoje, por exemplo, estou num dia em que sinto que nasci para ser mãe do Mateus. Simples assim, por isso tenho tentado vivê-lo o mais plenamente possível - os choros, os risos, as dúvidas, as certezas, a coragem, o medo, o afeto, o limite, o colo, o desapego, a entrega - total.

Não sei exatamente o que Lígia, no caso, está sentindo. Mas sei que certamente o amor está presente nessa relação e quero muito desejar às duas que esse amor cresça mais bem como dizer:
                                               
                                                      Olívia, seja bem vinda!!!

Mãe exibida

Como a Milena disse, ando muito exibida mesmo!!!!

Afinal, com um filho fofo como o Mateus tem que ser, não é mesmo???
Hoje passei a tarde respondendo mensagens carinhosas sobre a seleção de fotos que fiz do Mateus brincando de carnaval...

E querem saber uma coisa: eu adorei!!! Só carinho e elogios, quem não gosta???
é isso aí... Tô exibida mesmo.
hahahaha

E meu conselho pra Milena foi que ela fique também e já comece a divulgar a pança que está crescendo, pois essa é uma benção que mrece muito ser comemorada por todos... sempre!!!
Viva eu, viva tu, viva o Chico barrigudo!!!

Risos


Vamos lá ao desabafo...

Minha prima Karina me perguntou sobre o que havia mudado em mim com a gravidez e eu disse que estava desastrada ela logo perguntou: "Mais?"
Pois é... Sempre fui distraída, desligada e desastrada. Aliás, foi um dos motivos que me fez demorar para dar aula para crianças. Morria de medo... de mim!!! rsrsrs
E esse meu jeito sempre foi motivo de piada entre os conhecidos e pra mim mesma. Sempre ri com meus deslizes...

Durante a gravidez e com o nascimento do Mateus continuei rindo de minhas trapalhadas... Até ver que algumas trapalhadas minhas afetam DIRETAMENTE o Mateus. Enfim, vê-lo chorar por conta de meus erros... me deixou muito mal.
Sempre fui exigente comigo mesma, mas nunca a ponto de tirar meu sono... Mas agora meus erros como mãe tiraram meu sono. Pela primeira vez experimentei a culpa de mãe.
Mãe perfeita... Existe???
Claro que não... E foi essa minha conversa com a pediatra. Claro que sei que estava sendo dura comigo mesma e que os erros fazem parte desse novo processo... e que outros erros virão também.
O mais interessante é que durante a conversa percebemos que a pediatra, diferentemente de outras mães, não precisava me convencer de que tentar ser a mãe perfeita só traz danos pra mim (que sempre vou me frustar) e pro Mateus (que sempre vai ter medo de me frustrar), pois como educadora, eu sei e acredito nisso. Mas emocionalmente estava um bagaço e ficava mexida cada vez que achava que tinha que ter feito a coisa de outra maneira.
Dá-lhe hormônio!!!

Enfim, só relaxei mesmo quando outro dia durante a madrugada, vazou xixi na cama e pedi para o Luiz trocar o lençol. Ele que fica um zumbi de madrugada, se atrapalhou todo, não conseguia colocar o lençol, tirou o colchão, derrubou o móbile que disparou a tocar... hahahahahah
De repente, me peguei rindo, muito, dele e de mim tentando tapar os ouvidos do Mateus - como se adiantasse!

Acho que ainda posso rir mais da maneira como sempre ri de mim mesma, mas vejo que a cada dia que passa eu e Mateus nos conhecemos mais a gente cria uma intimidade maior que permite essa relaxamento todo... e certamente cada dia tem sido mais gostoso.
O amor que parecia impossível ser maior só cresce e nossa relação é cada dia mais prazerosa - acho que Mateus te pedido isso de mim, pois está muito sorridente. Um fofo!
Hoje mesmo acabei de fazer uma seleção de fotos dele com fantasias para comemorar o carnaval, nossa, acho que vou acordá-lo agora mesmo para agarrá-lo, o que vocês acham???
hahahaha

terça-feira, 1 de março de 2011

Nascimento do blog

Minha cabeça sempre está cheia de coisas - reflexões, perguntas, impressões, uma inquietude permanente e pulsante que me motivam tanto a querer mais e mais de mim, dos outros e da vida. Ao mesmo tempo prezo pela tranquilidade então de vez em quando me desligo de mim mesma e do mundo para poder apenas sentir. Sentir o nada ou sentir o tudo.
Coisas de taurina... Para mim, paz e caos convivem bem e são extremamente necessários.

Desde minha decisão em engravidar, depois a confirmação, a gestação, o parto, a chegada de Mateus, nosso dia a dia... tudo isso potencializou ainda mais meus caos e minha paz interior.
Dá-lhe hormônios!!!

Na semana passada fomos à pediatra do Mateus, e quando percebi estava usando o tempo da consulta para falar de como tenho me sentindo em meio a esse momento. Claro que isso é muito importante na construção de meu vínculo com meu pequeno e para me descobrir como mãe, mas usei mais da metade da consulta para falar de mim.
Achei que era minha terapia??? rsrsrs
Saí de lá mais aliviada (ufa, pelo menos valeu à pena!) e decidida a fazer alguma coisa para elaborar meu momento com o Mateus, o Luiz, com outros aspectos de minha vida e principalmente para me ver como mãe. Terapia? Não... O $$ está curto e a minha disponibilidade para sair de casa sem meu filho também...

Então decidi criar um blog para falar dessa experiência. 

Uma decisão atípica de mim, tão reservada com meus sentimentos, mas uma decisão necessária para que minha cabeça continue funcionando bem e em harmonia com meu caos e minha paz, aproveitando cada vez mais o presente que recebi: meu filho.